Critérios Gerais - a observar em todas as escolas do agrupamento


Tendo em consideração o pressuposto na lei e o caráter contínuo e sistemático da avaliação, deverão ser ponderados/considerados os seguintes itens gerais:

  • os critérios de avaliação devem ser claros e dados a conhecer ao aluno logo no início do ano letivo;
  • a avaliação formativa deve assumir primordial importância no processo de avaliação dos alunos e fornecer, a todos os envolvidos, informação sobre o desenvolvimento das aprendizagens, permitindo controlar o processo;
  • os elementos de avaliação devem ser diversificados e estar de acordo com as estratégias utilizadas, recorrendo a uma variedade de instrumentos de recolha de informação adequados à diversidade das aprendizagens e aos contextos em que ocorrem;
  • as aprendizagens de carácter transversal (no âmbito da educação para a cidadania e da valorização da língua portuguesa), ou de natureza instrumental (nomeadamente a utilização das TIC) constituem objeto de avaliação em todas as disciplinas;
  • a correção e entrega de qualquer teste ou trabalho será sempre efetuada no prazo máximo de quinze dias úteis;
  • não deverá ser efetuada prova de avaliação, quando não foi entregue a prova anterior, realizada nessa disciplina;
  • não deverão ser realizadas provas de avaliação nos últimos cinco dias de aulas de cada período;
  • o processo de avaliação deve, ainda, proporcionar ao aluno momentos de autoavaliação, permitindo-lhe atitudes de reflexão sobre o trabalho desenvolvido. Para o efeito, o aluno deverá estar na posse de todas as informações.

 

Critérios de Avaliação

 

Critérios Específicos

Critérios Gerais

(cognitivo)
Conhecimentos/
Competências

(Sócio afetivo)
Assiduidade e pontualidade
Comportamento/atitudes na sala de aula
Empenho e organização
Cooperação e interação
Capacidade de expressão e comunicação

1)

2)

Total

Pré-escolar

 

 

40%

60%

1º Ciclo do ensino básico

Até 45%

Pelo menos 15%

60%

40%

2º e 3º ciclo do ensino Básico

Até 60%

Pelo menos 20%

80%

20%

Ensino secundário

Entre 50% e 75%

Pelo menos 15%

90%

10%

  • Para este parâmetro o valor a atribuir, deve resultar da média aritmética da classificação de todos os testes e/ou trabalhos individuais realizados, durante o ano, arredondado à décima.

Nos cursos profissionais o valor deste parâmetro deve resultar da média aritmética dos testes e/ou trabalhos realizados no módulo.
Devem existir no mínimo dois testes e/ou trabalhos individuais, por cada período, ou, no caso dos cursos profissionais, por cada módulo.
Cada Grupo de recrutamento define a percentagem a utilizar.

  • A definir por cada grupo de recrutamento, tendo em conta, em cada período letivo, o desempenho do aluno desde o início do ano, sendo o valor obtido por média aritmética, arredondado à décima. Nos cursos profissionais, este parâmetro será avaliado por módulo.

 

Para os critérios gerais o valor a atribuir, arredondado à décima, deve resultar de todas as observações realizadas. Nos cursos profissionais o valor a atribuir, arredondado à décima, resulta das observações realizadas durante o módulo.

- No ensino básico as classificações de cada período deverão ser convertidas em níveis de acordo com a tabela seguinte:


Percentagem

Nível

Menções Qualitativas

0 – 19

1

Fraco

20 – 49

2

Insuficiente

50 – 69

3

Suficiente

70 – 89

4

Bom

90 – 100

5

Muito Bom

 

  • No pré-escolar a avaliação é descritiva e visa proporcionar uma informação das aprendizagens mais significativas das crianças, realçando o seu percurso e evolução. A avaliação é global e qualitativa, incidindo nas intencionalidades pedagógicas.
  • No 1º ciclo, a avaliação sumativa exprime-se numa escala de 1 a 5 em Português e Matemática e nos 1.º, 2.º e 3.º anos de escolaridade, a informação resultante da avaliação sumativa interna, nos três períodos letivos, expressa–se de forma descritiva e qualitativa em todas as áreas disciplinares e não disciplinares. No 4.º ano de escolaridade, a avaliação sumativa interna, nos três períodos letivos, expressa -se numa escala de 1 a 5 nas áreas disciplinares de Português e de Matemática e de forma descritiva e qualitativa nas restantes áreas. No 4.º ano de escolaridade, no final do 3.º período, e antes de serem divulgados os resultados da avaliação externa, o professor titular de turma atribui a classificação final nas áreas disciplinares de Português e de Matemática e uma menção qualitativa nas restantes áreas.
  • Nos 2º e 3º ciclos, a avaliação sumativa exprime-se numa escala de 1 a 5, em todas as disciplinas, podendo ser acompanhada, quando se considerar relevante, de uma apreciação descritiva sobre a evolução do aluno. A informação resultante da avaliação sumativa dos alunos do ensino básico abrangidos pelo artigo 21.º do Decreto -Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro, expressa-se numa menção qualitativa de Muito bom, Bom, Suficiente e Insuficiente, acompanhada de uma apreciação descritiva sobre a evolução do aluno.
  • No Ensino Secundário, a avaliação sumativa traduz-se numa escala de 0 a 20 valores.